CREA-PR

Este projeto teve início no ano de 2009, a partir de um Concurso Público Nacional de Arquitetura, promovido pelo IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil), a pedido do CREA-PR, então Conselho de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do estado do Paraná.

O projeto foi concebido pelos arquitetos Carolina Souza Pinto, Jean Grivot e Lucas Obino que na época eram sócios. Há pouco mais de três anos os arquitetos Carolina e Lucas formaram o escritório OSPA Arquitetura e Urbanismo e o arquiteto Jean tornou-se sócio do escritório de arquitetura HYPE STUDIO. O projeto executivo da Nova Sede foi então desenvolvido por ambos.

O principal objetivo dos promotores do Concurso era obter um projeto com nível de excelência em sustentabilidade que respondesse plenamente as demandas de programa do CREA-PR.

Após esta breve explanação, é com prazer que anunciamos que após quatro anos de trabalho, com algumas interrupções ao longo do processo, o projeto foi finalizado e entregue ao CREA-PR para que dê continuidade ao processo de construção de sua nova casa. Neste período, os arquitetos conquistaram seu Conselho próprio, o CAU-BR. O projeto evoluiu com alguns ajustes de programa e de materialidade.

Como escrito nas pranchas do Concurso, em 2009, sustentabilidade deve ser entendida como “otimização de recursos”, inerente à boa prática da arquitetura. Alguns gestos simples conferiram a este projeto a eficiência buscada:

NÃO ESCAVAÇÃO DE SUBSOLOS

Não foi pensada a escavação de nenhum pavimento em subsolo porque o nível do lençol freático é bastante elevado e o terreno já apresenta um desnível considerável de 1,80m. Também foi necessário otimizar a ocupação de área das vagas de estacionamento, feito alcançado a partir do projeto de uma estrutura metálica leve, desmontável, ao nível do térreo da edificação, sobre uma “faixa não edificável” do terreno – essa faixa só tem por objetivo restringir o uso sobre uma tubulação de esgoto pluvial que passa pelo terreno, sendo assim a estrutura não obstrui o seu acesso;

ORIENTAÇÃO SOLAR NORTE-SUL

O prédio principal é orientado para Norte-Sul, garantindo melhores possibilidades de controle térmico da edificação. Com isso, libera-se uma “praça” de acesso do lado Norte do terreno;

TÉCNICA CONSTRUTIVA

A técnica construtiva adotada para este projeto prima pela economia e racionalização de uso de materiais a partir da utilização de elementos pré-fabricados somados a estruturas pontuais de concreto armado. O prédio é todo montável, com exceção dos grandes núcleos de circulações e serviços e do pavimento de estacionamento, que são em concreto armado – aparente;

AMPLIAÇÃO DAS ÁREAS DE CONVÍVIO

As áreas de convívio das edificações foram ampliadas criando-se um mezanino para exposições e eventos no segundo pavimento do prédio principal. Essa área não era prevista no programa original do Concurso, sendo gerada a partir da otimização do uso de um grande espaço de eventos proposto com divisórias móveis articuláveis que possibilitam criação de diversas salas de reuniões – retiradas dos pavimentos.

Foram criadas duas grandes escadas abertas, iluminadas e ventiladas naturalmente, ligando todos os pavimentos para estimular o uso saudável da circulação.

O programa foi dividido em três blocos: um subsolo (apenas nomenclatura) voltado para estacionamentos e áreas técnicas, um edifício de dez pavimentos com todos os usos principais do Conselho e um edifício menor, pano de fundo do terreno, com funções de apoio e serviços que independem do funcionamento do corpo principal.

O edifício principal foi pensado da seguinte maneira:

 

TORRES DE SERVIÇOS

Duas torres de concreto armado, aparente, que comportam todos os serviços ligados aos pavimentos e as escadas de incêndio, orientadas para Leste e Oeste, agindo como elementos de bloqueio solar.

 

“CAIXA” – PROGRAMA PRINCIPAL DO CONSELHO

Todo o corpo principal do programa do CREA é envolvido por uma “caixa” central às fachadas Norte e Sul, revestida com um sistema de painéis ventilados. Esse envoltório marca visualmente a distinção programática dos espaços ali contidos.

 

PLENÁRIO

O Plenário é a atividade de maior representatividade da instituição e, como premissa do Concurso, deveria marcar seu caráter de representatividade. Ele também está contido na “caixa” e é marcado pelo seu pé direito duplo e pelos painéis pivotantes, acústicos, internos a pele de vidro, que propiciam integração visual com o espaço exterior.

 

ATENDIMENTO

O atendimento ao público ficou no térreo, fora da “caixa”, integrado ao mezanino que também tem caráter público e às circulações.

 

ESCADAS ABERTAS E ELEVADORES

As escadas abertas e os elevadores, panorâmicos, foram locados no interstício entre os volumes de serviços e a “caixa” principal da edificação. Formam um “negativo” marcado nas fachadas e integram-se visualmente aos andares inferiores também de caráter público e transitório. Têm por objetivo incentivar o uso racional de energia em pequenos percursos do dia a dia e suprir as demandas de grandes fluxos das áreas de eventos.

 

COBERTURA

Além das lajes e telhados, a edificação tem uma grande plataforma leve que sustenta reservatórios, máquinas de ar condicionado e um grande número de placas fotovoltaicas que auxiliarão na geração de energia para a edificação.

BRISES

Ao norte, uma grande “pele” de brises garante a proteção solar. Essa pele é separada do corpo principal por estrutura de aço com passarelas para auxiliar a manutenção tanto deles quanto dos vidros. Solução idêntica a essa também protege a fachada Oeste do edifício anexo.

Todo o projeto foi pensado visando-se obtenção de certificação Leed e acompanhado por equipe especializada. Além dos recursos projetuais que visaram a sustentabilidade por grandes gestos, podemos citar outros elementos que irão compor o conjunto de atributos de sustentabilidade da edificação:

 

- Utilização de Painéis Fotovoltaicos para cogeração de energia;

- Racionalização do uso de ar condicionado VRF;

- Possibilidade de ventilação natural;

- Reuso de águas de chuva e cinzas;

- Proteção solar por sistemas de brises;

- Utilização de vegetação nativa;

- Utilização de materiais certificados;

- Estímulo ao uso de tecnologias “limpas”, entre outros.

Ficha Técnica

LOCAL: Curitiba - PR
ÁREA: m²
PROJETO:
2009-2013
CONSTRUÇÃO: -
CLIENTE: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia - PR
STATUS: Em desenvolvimento

Autores: Jean Grivot, Carolina Souza Pinto e Lucas Obino


Projeto Estrutural, Elétrico, Hidrossanitário e HVAC: Mafra Arquitetura

LOGO HYPE STUDIO_sem fundo_branco_1x1.pn

+55 51 3061.9894

Rua da República 358, Cidade Baixa

Porto Alegre - Brasil | 90050-320 

©2019 BY HYPE STUDIO